NOTÍCIAS

Notícias
Veja também: SSA NA MÍDIA

Acompanhe as principais notícias do setor de seguro,
resseguro, arbitragem e mais.

< voltar

11.01.2022

Início do Open Insurance é cercado de questionamentos

O “open insurance” começou oficialmente no último dia 15 de dezembro, quando a primeira fase do ambiente de compartilhamento de dados da indústria de seguros passou a valer. A primeira fase abrange o compartilhamento de dados sobre canais de atendimento e produtos de seguros, previdência complementar aberta e capitalização. No entanto, esse processo está sendo cercado de questionamentos. As informações são do site Valor Econômico, em matéria publicada nesta sexta-feira (dia 07/01).

O presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNSeg), Marcio Coriolano, pontuou ao site algumas críticas ao início do processo. “Há muito tempo que a discussão tem sido muito conceitual”. De acordo com o representante das seguradoras, na pressa para implementar o open insurance, a Susep cometeu um “pecado original” ao “copiar o que estava nas resoluções do open banking”, o ambiente de compartilhamento de dados da indústria bancária.

Coriolano afirma que o mercado dos bancos é muito diferente do segurador. “Os produtos de seguros em muitos casos são muito complexos e pedem uma assessoria, de modo semelhante aos de investimentos”.

A Susep, entretanto, enxerga o cenário de modo diferente. Na avaliação do regulador, “pode-se dizer que o open banking funcionou como um acelerador natural para todos os passos de implementação do open insurance”.

O regulador do mercado de seguros explicou ao Valor que houve a criação de um grupo de trabalho entre o Banco Central e a Susep. “O open banking já está na fase 4 e o open insurance entrando na fase 1. Por isso, toda a experiência de implementação das fases anteriores do open banking foi um grande aprendizado.”

Contudo, para o representante da CNSeg, “quando fizeram o ‘copia e cola’ trouxeram a figura da sociedade iniciadora de serviços de seguros [Siss], que é semelhante às iniciadoras de pagamentos no open banking, mas não ficou claro qual o papel que esse novo intermediário vai ter”.

Coriolano avalia que, no caso das iniciadoras de pagamentos, fica clara a convergência do Pix com o open banking. “O iniciador de pagamento se torna o coração do marketplace.” Porém, as Siss, na opinião do dirigente, tendem a se tornar “mais um intermediário, ou seja, um custo a mais”.

O dirigente da CNSeg diz ainda que a Susep deixou os corretores de seguros de fora. “Não houve preocupação da Susep em engajar o corretor no ecossistema. Isso representa uma restrição forte, porque o corretor não vai ter acesso aos dados disponibilizados pelos clientes no ambiente de compartilhamento.”

A Susep pondera, no entanto, que os corretores podem se conectar ao novo ambiente tornando-se eles próprios uma Siss ou usando os serviços de uma iniciadora quando começarem a operar.

O presidente da CNSeg ainda considera que houve uma espécie de “adiamento branco”, na medida em que a Susep adicionou um prazo extra, até início de março, para as 66 companhias obrigadas a participar da etapa inicial e as duas que pleitearam a entrada mesmo sem a exigência conseguirem implementar os ambientes on-line integrados e disponibilizarem as informações.

A Susep, porém, enxerga a extensão necessária para a validação das APIs – os padrões digitais para facilitar a conexão entre os sistemas necessários ao funcionamento do ambiente de dados compartilhados – e não vê conflito com o restante da agenda. “Esse prazo para a certificação das APIs é necessário para assegurar uma maior eficiência e segurança na implementação, mitigando eventuais erros que poderiam surgir”, afirma ao ser questionada sobre o novo prazo. Segundo o regulador, “essa etapa de certificação de APIs é independente das demais, não há razão para que afete outros prazos”.

Fonte:

https://www.fenacor.org.br/noticias/

RECONHECIMENTO

Pelo quarto ano, A Schalch Sociedade de Advogados integra o seleto grupo de escritórios brasileiros na área de seguros e é recomendado pelo The Legal 500 Latin America 2021.

Leading Firm

O escritório é destaque na edição de 2021 do Chambers&Partners. O forte foco nos setores de seguro e resseguro, a expertise e o profundo envolvimento nos casos foram alguns dos destaques no reconhecimento do trabalho pela publicação.

Chambers Latin America

 

SSA é recomendada novamente pelo The Legal 500 Latin America 2019 na área de seguros.

Chambers Latin America

Schalch foi recomendada no Ranked Firm 2021 dos Melhores Escritórios de Advocacia em Seguros e Resseguros do Brasil, realizado pelo importante Editorial Francês Leaders League.

Chambers Latin America

 

Pelo segundo ano, SSA é recomendada pelo The Legal 500 Latin America 2017 na área de seguros.

Leaders League

 

SSA é recomendada pelo The Legal 500 Latin America 2016 na área de seguros.

Leaders League

Contato

São Paulo SP

55 (11) 3889 8996
55 (11) 3059 0060
55 (11) 4637 2281
55 (11) 4637 2300
55 (11) 4637 2301
 

Av. Brig. Faria Lima, 4509, 3º andar
ssa@ssaadv.com.br

logotipo da Schalch

© 2015 – Schalch Sociedade de Advogados. Todos os direitos reservados.